Conversas à sexta sobre o Bullying

Divulgamos webinar da APESM.

As conversas à sexta organizadas pela AP ESM, pretendem ser um espaço de reflexão tranquila em que, com os nossos convidados e participantes, sobre as grandes questões da educação, do movimento associativo parental, mas que também tem implicação no crescimento saudável das nossas crianças. Numa altura em que tanto se fala de Escola Inclusiva, fatores há que podem influenciar na sua concretização. O tema que nos traz a mais esta conversa é, sem dúvida, um deles. Terminamos este ciclo de conversas a falar de um tema atual e transversal na escola e na sociedade.

E se fosse consigo ou com a sua família?

Vamos falar de Bullying!

É na próxima 6ªf, dia 02 de julho pelas 21:15 que vamos estar à conversa com dois convidados especiais para nos falar do tema: Inês Marinho da Associação “#naopartilhes” e como orador principal o Dr. Luís Fernandes, da Ordem dos Psicólogos Portugueses, que com o seu saber nos ajudará a perceber melhor este tema, como podem os pais agir quando o seu filho é vitima ou agressor, mas sempre numa perspetiva de prevenção do problema.

O Observatório Nacional do Bullying indica que só em 2020 no nosso país, foram apresentadas mais de 2000 denuncias, em que 94% dos casos a vítima e agressor(es) frequentavam a mesma escola, 6 em cada 10 crianças já sofreu de bullying.

E se fosse com o seu filho?

A APESM, pela importância do tema e implicações no crescimento normal de muitas crianças, tinha que o trazer a debate, de forma construtiva, contribuindo, de forma efetiva para a sua resolução. Por isso lhe endereçamos este convite na esperança de podermos contar com a sua presença, contribuindo todos para esta missão coletiva que é o bem-estar das nossas crianças.

Evento gratuito, mas de inscrição obrigatória:

Pode inscrever-se aqui!

Muito gostaríamos da colaboração da nossa federação concelhia, não só na divulgação por todos os companheiros do movimento associativo de pais concelhio dado o interesse transversal do tema, mas também na sua presença, até pela sensibilidade que sabemos que tem para estas questões, ou em quem pudesse delegar, o que muito nos honraria.